1

Khagineh, um omelete doce persa

As possibilidades de conhecer a culinária e a cultura persa no Brasil são poucas. O primeiro restaurante persa que eu conheci foi em Chicago, o Pars Cove Cafe. Mas logo que nos mudamos para Belo Horizonte descobrimos um restaurante persa. Eram poucas mesas na sala da casa dos donos. A chefe de cozinha era Nasrin Haddad, uma pioneira da culinária persa no Brasil. Seu primeiro restaurante foi em Parati, depois ela veio para Belo Horizonte e daqui já partiu para São Paulo. Pena. Eu que vinha de São Paulo, achava uma vantagem enorme ter encontrado Nasrin em BH. Logo a perdemos. (Quem estiver em São Paulo, aproveite! O restaurante chama Amigo do Rei, você pode comer na casa dela ou contratá-la para cozinhar na sua casa em um evento.) Era sem dúvida o melhor restaurante de BH. Além da comida tinha a experiência de comer na sala da casa dela. Era o marido quem servia e de vez em quando a filha entrava e saía da casa, passando pela sala. Nossa sorte grande foi o dia em que depois de ter cozinhado a noite toda e servido todas as mesas, Nasrin se sentou na mesa ao nosso lado para descansar e ficou conversando com a gente. Éramos novos na cidade e ela nos indicou excelentes lugares. Reclamamos que não tinha padaria boa na cidade e ela nos indicou a Cum Panio, onde estão os melhores pães de BH. Também indicou um restaurante espanhol, fomos lá, era bom, mas também fechou. Sofremos de um mal por aqui, os lugares que a gente gosta, fecham.

No entanto, o Khagineh não tem nada a ver com a Nasrin. Quer dizer, a minha experiência com o Khagineh, não tem nada a ver com a minha experiência com a Nasrin e o seu restaurante. Mas por serem persas, um me faz lembrar o outro… Fui apresentada ao Khagineh num post no Facebook. Um amigo italiano que é casado com a Sahar Delijani*, uma escritora que nasceu no Teerã, um dia postou seu café da manhã na casa da família dela: Khagineh! Curiosidade grande, uma busca pela internet e aparecem muitas receitas, com pequenas variações. A que eu segui foi essa aqui: http://figandquince.com/2012/05/28/khahghineh-sugar_omelet/. Tem esse vídeo que pode ajudar: https://www.youtube.com/watch?v=Fyr21SDfiU0.

*Se você além de experimentar a culinária, quiser conhecer uma história que se passa no Irã, leia o livro dela: Children of the Jacaranda Tree, traduzido em português como Filhos do Jacarandá.


Ingredientes:

– 2 ovos
– pitada de sal
– 1 colher de sopa de manteiga (ou margarina, se você tiver restrições alimentares)
– 4  bagas de cardamomo (1/2 colher de chá, se o cardamomo já estiver moído)
– uns 2 pistilos de açafrão
– 1 colher de sopa de açúcar
– 1/3 xícara de água

Em um pilão triture as sementes de cardamomo e os pistilos de açafrão. Coloque os temperos moídos na água e adicione o açúcar. Mexa e leve ao fogo, ferva essa água por 5 minutos, essa será a calda utilizada no final.

Com um batedor de ovos, pode ser um garfo também, bata os dois ovos com a pitada de sal. Não precisa bater muito, mas assim como no omelete, o tanto que você bate determina a textura do seu omelete. Bata pouco e ele será mais fino, mais parecido com uma panqueca. Bata mais e ele ficará mais fofinho, esponjoso. Nas fotos que eu vi pela internet a massa parece ser fina, portanto, bate-se pouco. Mas eu acho legal ele ser fofinho, o meu eu bati muito. O legal dele ser esponjoso é que ele absorve muito bem a calda.

Aqueça uma frigideira, fogo médio, coloque a colher de manteiga. Espere ela derreter e esquentar. Logo que a manteiga começar a borbulhar, antes dela queimar, derrame os ovos batidos na frigideira. Aguarde um pouco até você conseguir virar a massa. De novo o tempo depende muito do tamanho da sua frigideira e da espessura da sua massa. Se ela estiver fininha, um a dois minutos devem ser suficientes, se estiver mais grossa, talvez você tenha que tampar e esperar um pouco mais. Fique de olho na panela, assim que você achar que dá pra pegar com a espátula e virar, vá em frente! Virou o omelete, faça uns cortes na massa criando as fatias tipo de pizza. Eu fiz 4 fatias. E jogue imediatamente a calda. Mais uns dois minutos no fogo e a massa deve ter absorvido quase toda a calda. Está pronto o seu Khagineh.

Leve já pra mesa. Ao que tudo indica eles comem o Khagineh com pão. Acho que um pão folha tostadinho ia bem.

CardamomoReceitas

PriBorges • 04/01/2015


Previous Post

Next Post

Comments

  1. Charyto 12/03/2015 - 04:57 Reply

    Se eu não conseguir pistilos de açafrão posso substituir por cúrcuma (açafrão da terra, gengibre dourado)? e o açúcar posso substituir por mel ou açúcar mascavo

Deixe uma resposta