Macarrão caseiro com molho de tomate e pimentões ao vinho

Alguns de vocês devem ter visto a receita das Batatinhas do Marcelo que postamos há algumas semanas. Se não viram, não deixem de ver, pois é uma das maravilhas do mundo moderno – isso precisa fazer parte da sua vida. Bom, o Marcelo é um cara que trabalha comigo e namora com a Flávia. (Acredito que posso usar primeiros nomes e manter um anonimato relativo, ao mesmo tempo em que para quem os conhece, eles ficam suficientemente identificáveis, o que acrescenta significados para os diferentes grupos.) A Flávia gosta muito de macarrão e não liga muito pra carnes e outras coisas que tinham sido os itens principais dos cardápios dos nossos encontros, desde que nos conhecemos. Assim, tive vontade de fazer um macarrão para a Flávia, inspirado no modo de preparo das batatinhas do Marcelo. Romântico, né?

Nesse post eu vou me concentrar no molho. Para saber como se faz o macarrão, temos 3 abordagens em posts antigos aqui, aqui e aqui. A única novidade aqui é que usamos farinha de trigo normal, com uma pequena porção (5%) de farelo de trigo e, daí, obtivemos “macarrão integral”. (É curioso que a farinha integral é a farinha que preserva parte da casca do trigo; ora, o farelo de trigo é casca de trigo pura; se você mistura farinha de trigo branca com farelo de trigo puro, você obtém uma mistura que tem cara de farinha integral e gosto de farinha integral; há quem pense que isso é suficiente para fazer dela… farinha integral, mas deve haver alguma propriedade secreta que faz com que 1 kg de farinha integral seja mais caro do que 950 g de farinha normal + 50 g de farelo de trigo. Tem que ver isso aí.)

O molho. Ah! o molho! As quantidades abaixo serviram 11 pessoas e depois mais 2 e mais 1. Então estamos falando de 14.

– 1 kg de tomatinho italiano ou grape ou uva partidos ao meio.
– 1 lata de tomates pelados picados com seu suco.
– 2 pimentões vermelhos médios bem maduros picados.
– 4 cebolas médias picadas.
– uns 150 g de dentes de alho descascado (comprei uma bandejinha pronta; usei 2/3 dela).
– 1/2 garrafa de vinho branco vagaba (usei “suave de mesa”).
– 1/2 garrafa de vinho tinto vagaba (idem).
– algo em torno de 250 mL de azeite (do “vermelho” ou não extra virgem).
– 2 colheres de chá de páprica picante defumada.
– 2 colheres de chá de páprica doce defumada.
– 1 colher de sopa de manjerona.
– 1 colher de chá de curry.
– 2 colheres de chá de alecrim.
– 5 folhas de louro.
– 1 colher de sopa de sal grosso.

Note que não mencionei água. Não vai água e isso é importante.

Há uma diferença importante entre esse molho e as batatinhas. A diferença é que não tem como fritar nada e a quantidade de material perto da de azeite é muito grande. Ainda assim, a parada funciona. O processo é colocar todas as coisas numa grande panela e cozinhar por horas. Eu forrei a panela com uma “cama” de cebola misturada com pimentão para garantir que especialmente o pimentão ficasse mais para o fundo e cozinhasse mais. Depois fui montando camadas, como faço no escabeche. O sal você coloca junto com a primeira camada, mas o restante dos temperos deixa para o final, por cima de tudo.

Uma vez montado, coloque o vinho branco (eu comecei com o vinho branco e usei o tinto porque o branco acabou, mas ideia foi boa – deixou o molho com um vermelho mais escuro, bonito) e em seguida o azeite. Daí é ligar a panela e esquecer. Cozinhou por 6 horas, começando em fogo alto, até atingir fervura e depois fogo baixo. Lá pelas tantas, quando eu via que o líquido estava começando a secar, eu colocava um pouco de vinho tinto. Quando deu umas 2 horas eu misturei tudo pela primeira vez e aí de tempos em tempo dava uma boa misturada, até para ver como as coisas estavam cozinhando. Boa parte do tempo a panela ficou tampada para perder menos líquido; eu só a deixava destampada quando estava por perto.

Eu desliguei a panela mais ou menos umas 6 horas antes de o jantar ser servido. Foi bom para os sabores se assentarem. Depois só esquentei no microondas e fui pra galera.

MassasReceitas

GuGomes • 10/02/2013


Previous Post

Next Post

Deixe uma resposta